Não Somos Gangue!

Não somos uma gangue! Não somos um partido político! Somos um coletivo de Skinheads Antifascistas, composto por anarquistas e comunistas! Acreditamos na igualdade de todos os seres humanos, sem bandeiras, sem separatismo, sem preconceito ou qualquer barreira, seja ela de classe, cor de pele ou orientação sexual. Nossa principal atuação é no meio contracultural em que estamos, levando nossos princípios de esquerda e princípios libertários, atuamos através da propaganda antifascista, mas vamos além disso, procuramos atuar junto à classe trabalhadora, o verdadeiro pilar da sociedade, a luta do trabalhador, do pobre, do explorado, essa é a nossa luta. Defendemos a cultura Skinhead, cultura que nasce nos subúrbios ingleses, de uma juventude de imigrantes jamaicanos, negros, e da juventude inglesa trabalhadora das periferias, fabricas e portos. Cultura de união, diversão, futebol, cerveja, e luta, porém uma luta de cabeças, não de botas e facas. Dos que nos oprimem nada esperamos. Esperamos apenas de nossos irmãos de classe.



quarta-feira, 20 de maio de 2009

Primeiro de Maio

Estamos postando um pouco tarde, porém de toda forma é válido registrarmos aqui nossa participação no protesto de 1º de Maio, Dia Internacional dos Trabalhadores. Dizemos "protesto" pois é assim que devem ser vistas as manifestações dos trabalhadores nesse dia e não como comemoração, como tentam nos passar algumas centrais sindicais. Protesto e decisão de luta por melhores condições de vida e para lembrarmos que essa data é um marco das lutas e conquistas da classe trabalhadora.

Como de costume, neste ano nos reunimos no ato da Praça da Sé, onde fizemos uma chamado para a participação de todos. O ato estava lotado e de maneira geral ocorreu como nos demais anos.



Houve panfletagem nossa, cujo tema não poderia ser outro: "Não vamos pagar a conta da burguesia!". Dizemos que não poderia ser outro, pois neste momento os patrões com o apoio do governo estão querendo dividir com os trabalhadores a conta dessa crise mundial, sendo que essa é mais um reflexo do próprio sistema capitalista. Querem que o trabalhador financie essa crise, com as milhares de demissões (mais de 600 mil trabalhadores demitidos somente no Brasil) e as flexibilizações que querem nos empurrar goela abaixo. Não aceitaremos e para isso devemos continuar organizados.


(clique na imagem para ampliar e ler o panfleto)