Não Somos Gangue!

Não somos uma gangue! Não somos um partido político! Somos um coletivo de Skinheads Antifascistas, composto por anarquistas e comunistas! Acreditamos na igualdade de todos os seres humanos, sem bandeiras, sem separatismo, sem preconceito ou qualquer barreira, seja ela de classe, cor de pele ou orientação sexual. Nossa principal atuação é no meio contracultural em que estamos, levando nossos princípios de esquerda e princípios libertários, atuamos através da propaganda antifascista, mas vamos além disso, procuramos atuar junto à classe trabalhadora, o verdadeiro pilar da sociedade, a luta do trabalhador, do pobre, do explorado, essa é a nossa luta. Defendemos a cultura Skinhead, cultura que nasce nos subúrbios ingleses, de uma juventude de imigrantes jamaicanos, negros, e da juventude inglesa trabalhadora das periferias, fabricas e portos. Cultura de união, diversão, futebol, cerveja, e luta, porém uma luta de cabeças, não de botas e facas. Dos que nos oprimem nada esperamos. Esperamos apenas de nossos irmãos de classe.



quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Resenha: II Festival Antifascista

Aconteceu no último sábado (30/1) a segunda edição do Festival Antifascista SP, evento que trouxe o tema "Rock Contra o Capitalismo". A escolha desse tema já foi explicada no post de divulgação do som e no post abaixo.

Continuamos a perceber a presença de novas pessoas em nossos eventos, o que é muito bom, prova que estamos conseguindo trazer mais gente para conhecer e compartilhar de nossas idéias.

A quantidade de participantes no geral foi muito boa. Uma junção de amigos, camaradas, pessoas que foram para ver as bandas, que foram pra tomar uma cerveja e ouvir um som e pessoas que foram pra fazer tudo isso, mas além disso, conhecer o trabalho da RASH.


E por falar em bandas, vamos aos amigos que fizeram com que o evento de fato ocorresse. De acordo com o flyer de divulgação, tivemos quatro bandas se apresentando: Insurgentes, Drullis, KOB 82 e Última Classe, respectivamente.

A primeira banda, aqui de São Paulo/SP, já havia se apresentado em um evento da RASH-SP, há uns 3 anos atrás. Pegaram o pessoal de surpresa, com o marasmo do início do festival, mas logo fizeram o pessoal pogar, com composições próprias, como Dia de Clássico e Ditadura do Proletariado, onde também alguns convers, entre eles Social Distorcion, Blitz e Cock Sparrer.


Na sequência tivemos a banda Drullis, pessoal que veio de Mogi das Cruzes/SP, enfrentando transporte coletivo (trem, metrô e busão) e carregando instrumentos, para participarem do nosso festival, apenas em troca da camaradagem. Aproveitamos primeiramente para agradecê-los novamente e que essa não seja a primeira e única participação em nossos eventos. Falando do show, apresentaram tanto músicas próprias (Mentes Assassinas, Pense em Você, Falsos Heróis, entre outras, como o cover do Varukers (Protest to Survive).


Aproveitamos o intervalo entre uma música e outra da banda para reforçar a idéia do tema do festival, pois como já dito anteriormente, o antifascismo por si só não basta, pois se não for acompanhado de uma consciencia anticapitalista, chega mesmo a ser estéril, já que o capitalismo necessita do fascismo, seja para o controle das classes exploradas, seja como salvaguarda de seu sistema contraditório movido a crises. Se assumir antifascista é mais do que combater "WP´s" e nacionalistas nas ruas. Indo apenas por esse lado, cairemos no ganguismo (da mesma forma que esses grupos agem) e a RASH-SP está longe de ser uma gangue.


Enfatizamos que estando em nossos festivais ou nos dos outros coletivos organizadores, não se prendam apenas à musica e à cerveja, mas lembrem-se de que há um motivo concreto para aquele evento, há um motivo que vai além da diversão e confraternização. Faça contatos, troque idéias, tire dúvidas, enfim, estreite as relações.

A terceira banda a se apresentar, foi o KOB 82 (São Paulo/SP), banda que ainda não havia participado de um evento da RASH SP. A banda que faz um hardcore 80´s, apresentou músicas próprias, como Mate-Ratos, Sem Futuro e Raiva, mas também tocou alguns covers: Decapitated (Broken Bones), SexKomplex (Asta Kask), State Violence, State Control (Discharge) e Hipócrita (Ulster).


E a última banda do dia foi a Última Classe, banda de Santos/SP, que já disponibilizamos sua demo aqui no blog e participou do último Festival da RASH São Paulo.



Podemos dizer que tudo ocorreu como previsto. Gostaríamos de agradecer às bandas que participaram, aos outros coletivos que organizaram o evento e principalmente às pessoas que compareceram, contribuíram (também aos que não foram mas também contribuiram).

Um comentário:

Fokismo disse...

Parabéns pela demonstração de competência, cooperação, fidelidade e organização, neste evento, que deve ter sido muito foda mesmo. Aqui no RJ, muitos camaradas estão com o intuito de fazer a RASH/RJ virar e esperamos que, nós do Fokismo, possamos colaborar de alguma forma, ao menos como banda, tanto aqui, como aí, e em outros lugares. Saudações e abraços,



Fabio D. e FOKISMO
http://www.myspace.com/fokismo
http://www.purevolume.com/fokismo_hc