Não Somos Gangue!

Não somos uma gangue! Não somos um partido político! Somos um coletivo de Skinheads Antifascistas, composto por anarquistas e comunistas! Acreditamos na igualdade de todos os seres humanos, sem bandeiras, sem separatismo, sem preconceito ou qualquer barreira, seja ela de classe, cor de pele ou orientação sexual. Nossa principal atuação é no meio contracultural em que estamos, levando nossos princípios de esquerda e princípios libertários, atuamos através da propaganda antifascista, mas vamos além disso, procuramos atuar junto à classe trabalhadora, o verdadeiro pilar da sociedade, a luta do trabalhador, do pobre, do explorado, essa é a nossa luta. Defendemos a cultura Skinhead, cultura que nasce nos subúrbios ingleses, de uma juventude de imigrantes jamaicanos, negros, e da juventude inglesa trabalhadora das periferias, fabricas e portos. Cultura de união, diversão, futebol, cerveja, e luta, porém uma luta de cabeças, não de botas e facas. Dos que nos oprimem nada esperamos. Esperamos apenas de nossos irmãos de classe.



quinta-feira, 6 de maio de 2010

Liberdade aos Cinco Companheiros Presos


No dia 27 de abril, ocorreu um protesto em frente a embaixada da Grécia, na Argentina, pedindo a libertação do anarquista Giannis Dimitrakis que está preso (na Grécia). e em solidariedade às manifestações que estão ocorrendo na Grécia atualmente. Nessa manifestação na Argentina, participaram anarquistas de Buenos Aires, que levaram panfletos para difundir a situação.

Como era de se esperar, houve repressão policial contra os manifestantes, dando início há um conflito. Que terminou com o saldo de alguns policiais e manifestantes hospitalizados e cinco manifestantes presos.

Entre os cinco manifestantes, está Jesica, baixista da banda Scarponi, que juntamente com o nosso amigo Checho (vocalista da banda), colaborou com a entrevista que fizemos em janeiro/2010 sobre a cena antifascista em Buenos Aires. Jesica estava fotografando a manifestação.

Jesica está atualmente na Prisão de Segurança Máxima de Ezeiza (na periferia da capital Argentina) e permanecerá detida até o julgamento, onde estará respondendo por: "atentado", "prepotência ideológica", "lesão corporal", "danos" e "resistência à autoridade". O julgamento pode ocorrer entre um e dois anos.

Estamos divulgando o fato em solidariedade a nossa camarada Jesica e aos demais manifestantes presos, para que todos tenham conhecimento.

Nenhum comentário: